Blog

Melhores técnicas para administrar seu departamento de pessoal

Publicado em: 14-07-2017
departamento de pessoal

Já faz algum tempo que o departamento de pessoal deixou de ser um setor completamente operacional para se tornar uma das áreas mais estratégicas das organizações. A explicação para isso é simples: gerir pessoas também deixou de ser uma atividade secundária, assumindo um papel protagonista entre as prioridades das empresas.

A necessidade de buscar, contratar, reter e aproveitar os talentos da organização fez com que os profissionais de recursos humanos precisassem descobrir novas técnicas, que estivessem mais alinhadas com os objetivos estratégicos da organização.

Afinal de contas, o capital humano é um dos ativos mais valiosos da empresa e precisa ser bem administrado para gerar os resultados esperados.

Com isso, processos como recrutamento, admissão, treinamento, compensação e desligamento ganham uma importância significativa e precisam ser conduzidos por profissionais dedicados, atualizados e, principalmente, motivados.

Imagine: é possível manter o corpo de funcionários motivados se os próprios profissionais do RH não compartilham do mesmo sentimento?

Neste post selecionamos algumas das melhores técnicas para administrar o seu departamento de pessoal. Confira!

Métricas eficientes para atrair talentos

Métricas costuma ser associadas às áreas de negócio, que trabalham diretamente com as vendas, mas um bom conjunto de metas e objetivos pode ajudar qualquer área na medição dos resultados do seu trabalho.

A mensuração é muito importante para que você verifique a eficácia dos seus processos, mudando quando necessário e aperfeiçoando aquilo que já funciona.

Mas como implementar métricas que demonstrem o trabalho do RH? Veja três exemplos que podem ajudá-lo a iniciar o trabalho:

Fontes dos candidatos

Em geral, as áreas de RH possuem uma série de parcerias que indicam candidatos com perfil para ocupar as vagas oferecidas. O ideal é manter um mailing de parceiros que seja eficaz na indicação de profissionais.

Portanto, a métrica de fontes dos candidatos pode ajudar você nesse controle. A ideia é fazer um levantamento estatístico do percentual de aproveitamento dos candidatos enviados por cada parceiro sempre que eles indicarem interessados em alguma das vagas abertas.

Entrevistados vs. possibilidades de contratação

Quantas entrevistas você precisa realizar para conseguir encontrar o candidato ideal? Um processo seletivo precisa ter riqueza de talentos, mas se o seu recrutador realiza inúmeras entrevistas e nem assim consegue fechar a contratação, pode ser um sinal de que há problemas.

Você pode rever seus processos de entrevistas, verificar a qualidade das dinâmicas apresentadas e até mesmo avaliar se a política de cargos e salários da organização é atraente.

Qualidade da contratação

Por mais que seus processos sejam eficientes, é preciso atestar se o candidato que preencheu a vaga atendeu às expectativas do gestor responsável. Para ter acesso a esse número você pode elaborar questionários de avaliação a serem aplicados depois de 6 meses da contratação.

Para conseguir um resultado mais real, compare os números do novo funcionário com aqueles obtidos pelos profissionais com mais tempo de casa.

Bons programas de liderança

O desenvolvimento de líderes é um dos carros-chefe da atuação dos setores de RH nos dias de hoje — e esse dever de casa tem que começar dentro do próprio setor!

A liderança estratégica do mercado atual não tem nada a ver com o que os chefes de departamento faziam há cerca de 20 ou 30 anos. Ao contrário do que ocorria, a autoridade não vem do cargo, mas do talento, do carisma e da capacidade de motivação dos líderes.

Outra característica importante é que os líderes atuais surgem dentro do próprio grupo por meio do seu próprio espírito empreendedor. É importante destacar essas pessoas, que passam a ser o fio condutor das equipes de RH.

Por isso, um bom programa de treinamentos e incentivo aos maiores talentos é fundamental para o desenvolvimento de líderes dentro da equipe.

Reconhecimento e manutenção de talentos

Antigamente acreditava-se que o maior fator motivacional para a permanência de um funcionário em uma organização era o financeiro. Essa teoria já foi substituída há algum tempo.

A motivação para se trabalhar em um mercado cada vez mais concorrido surge dos desafios propostos e do reconhecimento aos bons resultados alcançados.

Se você conta com uma equipe eficiente na proposição de treinamentos, competente nos processos internos e capaz de manter um time de funcionários de primeira linha, é hora de encontrar maneiras de reconhecer esses talentos e exaltar as conquistas.

Pacote de incentivos atraente

Embora o fator financeiro não seja mais o primordial para a motivação, não quer dizer que ele esteja descartado. Por outro lado, em plena crise financeira é difícil convencer os donos da empresa a adotarem uma remuneração maior do que a média de mercado.

Por isso, o ideal é ter um plano salarial equiparável às maiores empresas e buscar um pacote de incentivos por meio de campanhas sazonais que sejam interessantes para a equipe — ele pode estar atrelado ao desempenho obtido em metas individuais.

Cultura de trabalho diferenciada

A cultura organizacional é algo que faz parte do dia a dia dos funcionários e deve ser absorvida por cada uma das áreas dentro dos seus processos específicos.

O RH é uma área muito dinâmica, tanto na parte mais estratégica do seu trabalho quanto no lado mais processual da atividade.

Portanto, incorporar elementos da cultura da empresa com outros ligados às atividades de RH é importante para despertar o senso de pertencimento da equipe.

Além da cultura, há também a questão do clima, que é muito importante. Trata-se de um retrato estático de um momento específico da área que influencia fortemente na forma como as atividades são conduzidas pelo time.

Clima e cultura são dois fatores de peso na produtividade e na motivação da equipe, e devem sempre estar no foco dos gestores.

Automatização de processos

Tendência em todas as empresas, a automatização de processos internos é muito importante em diversas frentes. Entre elas destacam-se o melhor aproveitamento da equipe na condução de projetos estratégicos e a redução de custos.

Como já dissemos mais acima, o capital humano é um dos ativos mais valiosos das empresas e não faz sentido direcionar seus maiores talentos para cumprir tarefas rotineiras e repetitivas.

Portanto, o ideal é optar por dois caminhos: automatizar uma parte dos processos e terceirizar a outra.

Se você se interessou pelo assunto e deseja ler sobre mais conteúdos que possam fortalecer o seu departamento de pessoal, não deixe de seguir o perfil da Tangerino nas redes sociais! Estamos no Twitter, no Facebook e no Instagram!

Tangerino eBook Gestão do Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça o cadastro simplificado e comece a usar agora!